Febre amarela, saiba tudo sobre o surto da Febre Amarela no Brasil

Febre amarela: causa, sintomas, tratamentos


febre amarela


O que é Febre Amarela?

A febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus e transmitida por 


mosquitos. 


A infecção pode ser categorizada de duas formas: 


>> Febre Amarela Urbana: quando é transmitida pelo Aedes aegypti


>> Febre Amarela Silvestre: quando transmitida pelo Haemagogus e Sabethe.

A doença é considerada aguda e hemorrágica e recebe este nome, pois causa amarelidão 


do corpo icterícia e hemorragia em diversos graus. O vírus é tropical e mais comum na 


América do Sul e na África. Apesar de ser considerado um vírus perigoso, a maioria das 


pessoas não apresentam sintoma e evoluem para a cura.

A febre amarela pertence à classificação das arboviroses, , tendo várias diferenças entre 


a dengue e ao Zika vírus, apesar de pertencerem à família dos Flavivírus.


Casos de Febre Amarela 2017

Em janeiro de 2017, o estado de Minas Gerais começou a investigar 23 casos suspeitos de 


febre amarela. Além disso, suspeita-se que 14 óbitos podem estar relacionados à doença.

No estado de São Paulo algumas cidades também estão em alerta para a febre amarela, 


como Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, devido tanto à morte de macacos, que 


costumam pressagiar esse tipo de surto, quanto a mais dois óbitos suspeitos de estarem 


ligados à doença. Um dos casos fatais foi confirmado, mas acredita-se que esteja ligado 


à transmissão silvestre da doença. O Ministério da Saúde já admite como um surto no 


Brasil.

O último surto de febre amarela no Brasil ocorreu entre 2008 e 2009, quando 51 casos 



foram confirmados.

O que causa a Febre Amarela?

A febre amarela costuma ser transmitida por mosquitos, principalmente o Aedes aegypti 


(em áreas urbanas) e o Haemagogus (em áreas rurais). O mosquito é infectado ao picar 


uma pessoa ou animais com a doença e então desenvolve a doença e passa a transmiti-la 


para quem ele picar.

Existem dois ciclos da febre amarela:

Febre amarela silvestre: em que mosquitos destas regiões se infectam picando 



primatas com a doença e podem transmitir a um humano que visite este habitat


Febre amarela urbana: em que um humano infectado anteriormente pela febre 


amarela silvestre a transmite para mosquitos urbanos, como o Aedes aegypti, que a 


espalham.

É importante alertar que em ambos os casos a doença é a mesma, a diferenciação do 



ciclo de transmissão apenas ajuda nas estratégias para evitar a disseminação da febre 


amarela.

A pessoa permanece em estado de viremia, ou seja, capaz de transmitir o vírus para 


mosquitos, por até 7 dias após ter sido picada.

Normalmente o vírus causa sintomas em pessoas que nunca tiveram a doença ou que 


nunca tomaram a vacina.

Não há relatos de transmissão de febre amarela direta entre pessoas.

Fatores de risco

Pessoas que nunca entraram em contato com a febre amarela ou nunca se vacinaram 


contra ela correm o risco de contrair a doença ao viajarem para locais em que a doença 


é ativa, mesmo que não haja casos recentes reportados nestas regiões.

O risco é maior para as pessoas com mais de 60 anos de idade e qualquer pessoa com



imunodeficiência grave devido a HIV/AIDS.

Sintomas da Febre Amarela:

Muitas pessoas que contraem a febre amarela não apresentam sintomas, e quando os 


apresentam, os mais comuns são:


>> Febre
>> Dores musculares em todo o corpo, principalmente nas costas
>> Dor de cabeça
>> Perda de apetite
>> Náuseas e vômito
>> Olhos, face ou língua avermelhada
 >> Fotofobia ( 
sensibilidade à luz, visão sensível à luz, olhos sensíveis à luz)
>> Fadiga e fraqueza.

Os sintomas nesta fase aguda da doença costumam durar entre três e quatro dias e 


passam sozinhos.

No entanto, uma pequena porcentagem de pessoas pode desenvolver sintomas mais 


graves cerca de 24 horas após a recuperação dos sintomas mais simples. Nesta fase 


chamada de tóxica, o vírus pode atingir diversos órgãos e sistemas, mas principalmente o 


fígado e rins. 


Os sintomas dessa fase são:

>> Retorno da febre alta
>> Icterícia (presença de cor amarela) devido ao dano que o vírus causa no fígado
>> Urina escura
>> Dores abdominais
>> Sangramentos na boca, nariz, olhos ou estômago.

Em casos mais graves o paciente pode apresentar delírios, convulsões e até entrar em 


coma.

Dependendo do dano causado no organismo, esta fase da febre amarela pode levar a 


morte no intervalo entre sete e dez dias. Por isso, pessoas que são diagnosticadas com 


febre amarela devem estar atentas ao aparecimento dos sintomas iniciais e observar se 


os sintomas mais graves se manifestarem, para busca de ajuda médica.

Os sintomas da febre amarela podem ser confundidos com malária, leptospirose, 


hepatite viral e dengue hemorrágica.

Diagnóstico e exames:

Pessoas que manifestam sintomas de febre amarela, sejam simples ou mais graves, 


devem buscar ajuda médica imediata. Esta ajuda serve não apenas para tratamento e 


observação dos sintomas mais graves, mas também para a vigilância desta doença.

Além disso, se você não vive em uma região endêmica para febre amarela, mas pretende 


viajar para uma, é importante buscar um médico para tomar a vacina.

Especialistas que podem diagnosticar uma febre amarela são:

>> Clínico geral
>> Infectologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. 


Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:


Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram, histórico médico, 


incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele 


tome com regularidade


Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

Diagnóstico de Febre amarela:
O diagnóstico da febre amarela é feito com base nos sintomas, histórico médico e de 


exposição a mosquitos possivelmente infectados.

Caso o médico suspeite de febre amarela, existe um exame de sangue que pode detectar 


a presença do vírus ou de anticorpos que indiquem sua infecção anterior.

Tratamento de Febre amarela:

Não existe medicamento para combater o vírus da febre amarela. O tratamento é apenas 


sintomático e requer cuidados na assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve 


permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando 


indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido numa Unidade de Terapia 


Intensiva.

Não existem tratamentos médicos específicos contra o vírus da febre amarela. 


Normalmente o tratamento visa a melhora dos sintomas e em casos mais graves é 


realizado o atendimento em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para reposição do 


sangue perdido nas hemorragias, diálise para os rins afetados e controle geral das 


complicações.

Devido ao risco da doença se desenvolver de forma hemorrágica, é importante evitar o 


uso de aspirina.

Convivendo/ Prognóstico:

Pessoas diagnosticadas com a forma mais simples da febre amarela devem manter 


cuidados básicos como:


>> Repouso
>> Reposição de líquidos, principalmente recorrendo ao soro caseiro em casos de vômitos
>> Uso correto dos medicamentos indicados.

Além disso, é importante que estas pessoas não fiquem expostas à mosquitos, ou podem 


infectá-los com a doença.

Pessoas que tiveram febre amarela uma vez estão imunizadas contra a doença.

Como prevenir a febre amarela?

A vacinação é considerada pela Organização Mundial da Saúde a forma mais importante 


de prevenir a febre amarela. Tanto que é a vacinação frequente que impede que a 


doença de espalhe mesmo em áreas endêmicas. É preciso que ao menos 80% da 


população seja imunizada contra um vírus para prevenir a doença nestas regiões.

Veja a seguir como deve ser a vacinação em áreas endêmicas:


>> De 6 meses a 9 meses de idade incompletos: a vacina está indicada somente em 



situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem 


inadiável para área de risco de contrair a doença


De 9 meses até 4 anos 11 meses e 29 dias de idade: é indicado uma dose aos 9 meses de 


idade e uma dose de reforço aos 4 anos de idade
A partir dos 5 anos de idade: se a pessoa já recebeu uma vacina, pode-se dar mais uma 


dose. Se ela nunca foi vacinada, é preciso dar uma dose inicial e outra de reforço 10 


anos depois.

No caso de pessoas com mais de 60 anos que nunca foram vacinadas, o médico deve levar 



em conta os riscos da vacinação, que incluem o risco de eventos adversos nessa faixa 


etária ou decorrentes de comorbidades. 


Gestantes e lactantes são contraindicadas a tomar esta vacina, assim como pessoas 


imunossuprimidas.

No caso de viajantes, o recomendado aqui no Brasil é realizar a vacinação 10 dias antes 


da viagem, no caso de primeira vacinação, já que os anticorpos protetores aparecem 


entre sete e dez dias após o contato com o vírus. De acordo com as Regulações de Saúde 


Internacionais, os países têm o direito de requerer de viajantes o certificado da 


vacinação contra a febre amarela.


Controle do Aedes aegypti:

A febre amarela urbana pode ser prevenida pela eliminação do mosquito transmissor, no 


caso, o Aedes aegypti.

As larvas do Aedes nascem e se criam em água parada. Por isso, evitar esses focos da 


reprodução desse vetor é a melhor forma de prevenir a dengue. 


Use repelente:

O uso de repelentes, principalmente em viagens ou em locais com muitos mosquitos, é 


um método importante para se proteger contra a dengue. Recomenda-se, porém, o uso 

de produtos industrializados. Os repelentes caseiros, como andiroba, cravo-da-índia, 

citronela e óleo de soja não possuem grau de repelência forte o suficiente para manter o 

mosquito longe por muito tempo. Além disso, a duração e a eficácia do produto são 

temporárias, sendo necessária diversas reaplicações ao longo do dia, o que muitas 

pessoas não costumam fazer.




One Response

  1. Estação Materna 18 de março de 2017

Add Comment